Plantas naturais: como, quando e onde usá-las?

Será que existe quem não goste de plantas? Um verdinho qualquer, desde uma salsinha a uma palmeira imperial... Acho que não existe quem não goste! Pode existir quem não goste de cuidar, mas quem não gosta de olhar? Afinal, o que pode ser mais tranquilizador que uma paisagem verde, ou um jardim à luz da lua? Um lindo jardim encanta até os corações mais duros e peludos!


Paisagismo não é realmente algo que eu entenda profundamente, mas como designer de interiores passeio por este segmento com algumas dicas para não errar. Vamos lá !


Não há planta feia, há planta mal cuidada; há planta no vaso errado; há planta no local errado; há planta doente; enfim, tal qual os seres humanos, às vezes a planta não está em uma boa fase, por exemplo: está em época de cair folhas, não se adaptou ao local, nasceu na hora errada, no local errado. Mas todas as plantas bem cuidadas e no local certo são lindas e bem-vindas.


Há plantas que se adaptam bem a ambientes internos e outras a ambientes externos, portanto, antes de comprá-las devemos conhecer um pouquinho das suas necessidades básicas: muita luz ou pouca luz, muita água ou pouca água, com claridade ou sombra, sol direto ou não, com muito ar ou pouco ar.




As mais indicadas para ambiente interno, ao meu ver, são os fícus e o bambu mossô. Existe uma infinidade de outros tipos, mas estes não dão trabalho, e, se tiverem o mínimo de atenção, caem bem em qualquer decoração, sem falar que estão na maior parte do tempo cheias de folhas. Outras que gosto muito são as arecas, as bananeiras decorativas e os vários tipos de palmeiras.


Quando coloco plantas naturais em minhas decorações, o "formato" delas me chama muito a atenção. E a proporção também: a planta tem que ter proporção com o ambiente em que está e entrar dentro da decoração com sutiliza e harmonia, preenchendo um espaço e dando aconchego ao local. Uma planta baixa em um pé direito duplo não funciona, fica estranho, mas uma planta alta colocada levemente inclinada em um local mais baixo fica bom. Curioso, né? Mas isso é uma peculiariedade, por exemplo, do bambu mossô (sou apaixonada por ele!)




Já um fícus em formato de árvore com o tronco aparecendo e uma copa não é o indicado, pois normalmente as folhagens devem vir desde o vaso, ficando cheio (sem tronco aparecendo).

Outra planta que uso muito é o cipreste comum ou cipreste kaizuka, que caem super bem nas decorações clássicas ao lado das portas, em dupla. Fica lindo!


Onde as plantas naturais devem ficar? Nos buracos da decoração! Em uma passagem de vidro de um ambiente comercial, em um canto perdido sem nada... Exemplo: temos o sofá, as mesas laterais e ainda sobrou um pedaço de parede, que não cabe um móvel, que não dá para montar um ambiente, mas que ao mesmo tempo é grande o suficiente para parecer vazio. Aí cabe uma planta! Normalmente naquele espaço vazio entre 60 cm e 1 metro.

Sempre que possível, perto da janela, ou da transparência (onde possa pegar luz natural e ter ventilação), mas às vezes não é possível, como por exemplo abaixo da escada; neste caso, a opção é tirar sempre que for limpar - no mínimo duas vezes por semana - e deixá-la em ambiente externo, ou colocar uma planta artificial (ou, como chamamos hoje, plantas similares).








Em que tipo de vasos devemos colocar as folhagens (ou as plantas que são somente verdes e plantadas)? Em inúmeros vasos, mas jamais nos de plástico preto ou plástico na cor de cerâmica, assim como nos vasos pintados com cores vibrantes ou esquisitas do tipo pátina vermelha! Para não errar, se for de cimento, deve estar na cor do cimento; se for de cerâmica natural, na cor da cerâmica; se for de cerâmica esmaltada, tipo sião, tem que fazer parte das cores NEUTRAS do local; e se forem do tipo vietnamita (lindíssimo, caríssimo e super na moda), na cor mais próxima dos tons neutros da sua decoração - os azuis, verdes tiffany e pretos são a minha preferência! Podem ser de resina, imitando os vietnamitas originais (o visual é quase o mesmo e, para a maioria das pessoas, precisa-se colocar a mão para perceber a diferença; mas eu disse maioria, tá!?). Na verdade existem inúmeros tipo de vasos. Vá sempre nos mais discretos, com tamanho de aproximadamente 1/3 da planta!





Quais os melhores locais para colocar plantas naturais? Ao lado da janela, ao lado da porta de entrada, abaixo da escada (se receberem iluminação), ao lado do armário que dá de frente com a porta (para quebrar a sensação de paredão).

As folhagens em geral são plantadas e grandes, sempre no chão ou em um suporte de vaso (amo os de madeira estilo oriental)

Em que ambientes? Residenciais, comerciais, corporativos, escritórios, lofts, enfim, praticamente todos, com ressalvas para clínicas e hospitais, dependendo da especialidade e de uma boa conversa com o cliente para saber dos riscos que uma planta pode trazer aos seus pacientes ou clientes!


E as flores? Da mesma forma, elas completam a decoração. Minha predileta é a orquídea branca, mas rosas brancas e lírios também me fascinam, assim como copos de leite, quando naturais são maravilhosos, mas... se murchou, ou vão para o lixo ou deve colocá-las externamente (onde elas possam se recuperar). No caso das orquídeas, amarrá-las nas árvores, mesmo que na rua, é uma alternativa linda; isso pode ser feito com meia fina velha desfiada, cor da pele, para não aparecer. Esqueça os barbante ou cabos de vassoura! Nas plantas, no máximo, um bambu fininho ou arame verde para dar forma. Mas volto a dizer: se a flor murchou, secou, envelheceu... infelizmente, virou lixo orgânico!





Onde as flores podem ser colocadas? Sempre em vasos de vidro ou cristal, ou cachepôs de cerâmica, de espelho, de fibra natural, tipo baldinhos de alumínio, mas jamais nos vasos pretos de plástico ou nos vasos cor de cerâmica de plástico! O local depende do estilo da decoração e do tamanho da planta, entretanto, aproveitando o trocadilho, para não dizer que não falei das flores: para decoração clássica use vasos de cristal ou vidro clássico; para decoração industrial ou provençal, opte pelos de vidro liso, alumínio e recipientes de metal; na decoração vintage o ideal são os vasos de vidros diversos e de cerâmica colorida; já na decoração rústica caem bem recipientes tipo cachepô de fibra, vidros, metais e de aspectos usados.


Não são regras, são dicas, ok!?





O que dizer então da combinação "plantas, folhagens e flores"? Tudo junto, cada um em seu vaso ou recipiente, uns plantados, outros em terra, mas formando um coquetel... simplesmente tudo de bom! Ficam maravilhosas, principalmente em aparadores.


As tendências na decoração pedem flores e verdes plantados, mas eu particularmente acho que planta não tem moda, tem formatos e peculiaridades que podem ficar melhor em alguns lugares e não em outros, mas, as plantadas requerem cuidados e obviamente duram muito mais tempo!





Algo que amo fazer e não custa caro (o custo é carinho e observação): depois que aparou as plantas, pegue as folhagens mais verdes e coloque em recipientes de vidro, metal ou vasos. Enfeitam a casa e ficam lindos! Da mesma forma, com flores de árvores. Faço muito isso na época dos ipês. Coloco nos vasos. Dão alegria! E as primaveras ou bougainvílleas ficam maravilhosas em vasos, sem falar das lavandas em pequenos vidros!


Uma vez fui passar o Ano Novo na casa de minha cunhada em Blumenau/SC, e ela havia recém-mudado. A casa ainda não estava decorada e ela desanimada em fazer a passagem de ano com o local vazio, então saímos para passear na rua dela e voltamos com duas braçadas de flores de uma árvore muito comum por lá, mas que até hoje não sei o nome. Ficou tudo lindo, cheio de flores e velas que compramos no mercado. A passagem de ano foi maravilhosa, mas no dia seguinte as flores estavam murchas e secas, impressionante! Não duraram um dia, mas na passagem estavam lindas!



Enfim, basta QUERER para deixar as flores entrarem, compradas ou retiradas dos jardins, dando um toque magnífico na decoração, e sem competição com qualquer objeto, afinal, é uma obra de arte feita pelo artista mais supremo de todos os tempos: DEUS!


Quer ter certeza de que não vai errar na sua decoração?

Conheça a Consultoria em Decoração da Márcia





Márcia Rispoli entrou no ramo de decoração e design por acaso, ao sair vencedora de um concurso promovido pela Revista A&D, o que resultou em sua inscrição na Associação Brasileira de Designers de Interiores. Desde então, ela não parou mais! Neste espaço, ela compartilha de todo o conhecimento adquirido nestes mais de 20 anos de profissão.

Posts em destaque