Vamos conversar em " decoranes " ????

A maior dificuldade que eu encontrei em todos estes anos de decoradora foi a linguagem entre cliente, profissional e fornecedor, e como todos os segmentos que envolvem tendências, surgem vocábulos novos a cada dia, e específicos da profissão que parecem muito simples para quem convive com aquilo dia a dia, mas que não é para a maioria de nossos clientes que exercem outras profissões, então , resolvi "traduzir " alguns vocábulos da moda, e da nossa profissão . Vamos lá :


SHABBY é um estilo de coração que vem crescendo, uma mistura romântica de rústico com clássico utilizando moveis antigos repintados .Será tendencia para o próximo ano.




Boho Chic é outro estilo proximo ao Shabby que apresenta mais misturas e possui um quê de hippiê e anos 70.




O Moderno com gotas de anos 40 volta com todo o vapor, assim como linhas curvas e os dourados, como é um estilo totalmente diferente do que se vinha aplicando no mercado acredito que vai demorar um pouco mais para cair na "moda".



Vamos a algumas palvras que já cairam no cotidiano dos designers mas que a população ainda se perde:


Vasos Vietnamitas são vasos com pinturas esmaltadas, em várias cores, que em seu acabamento acabam por ficar acinzentados na borda, foram o grande " Hit " das duas ultimas estações , e vão ficar em alta por algum tempo ainda, as cores mais utilizadas são preto, azul e verde Thiffany, são de alta resistência em função da cerâmica e uma substancia chamada chamote que eleva a resistência do mesmo, assim como a pintura diferenciada que não desbota e permanece inalterada mesmo no ambiente externo sob intempéries . Pode-se usá-lo em ambientes internos e externos, e fica mais interessante com folhagens tropicais. Caem bem em qualquer estilo de ambiente é charmoso e dá requinte ao ambiente.






Seat Garden como o nome diz é um banco de jardim , mas a origem é oriental, mais especificamente na china, datado de aproximadamente 1000 anos atrás estes bancos foram originariamente de materiais naturais como madeira e couro e, posteriormente em cerâmica, sempre fizeram parte da decoração das casas mais requintas da china principalmente a partir da Dinastia Ming. Tem a forma de um barril e eram também chamados de tamboretes, existem de inúmeros materiais, e desenhos , sendo os de cerâmica os mais valorizados. São uma peça que gosto de chamar de coringa, pois cabe em todo lugar e tem várias funções, desde como banquinho de jardim, a mesa lateral, pufe de apoio, acessório decorativo. Tem de vários estilo e sempre dão um toque especial ao local .






Bombee ou A cômoda bombee tem origem francesa e estilo clássico. Elegante e sofisticada, surgiu no final do século XVII e era utilizada apenas para guardar roupas de cama. Desde então, se tornou um móvel muito popular. A principal característica da bombee é seu desenho marcante, de traço arredondado, com elementos rococós, como os arabescos e os pés cabriolet (curvados). É uma peça muito charmosa que não passa despercebida! Sua sofisticação dá classe a qualquer lugar, hoje encontramos algumas comodas que nos remetem ao design bombee, mas na verdade , a tradicional comoda bombee é de marchetaria, e possui o tampo em mármore, como nos antigos castelos franceses. Neste acabamento que ganhou seu espaço no mundo do design de mobiliário "levanta" qualquer decoração, imprimindo sofisticação e glamour a qualquer espaço. Pode ser utilizada em hall de entrada, living social, quartos, e até em bancadas de banheiro .





Luiz XV

Na verdade é rei que deu seu nome ao estilo, Rei francês, que incentivado por sua amante , foi grande incentivador da a arte, arquitetura e mobiliário de requinte extremos com inspirações na natureza marcantes em entalhes, e principalmente na pintura da madeira dourada com pó de ouro . Hoje é comum ouvirmos vamos colocar duas Luiz XV na sala de estar para classe e glamour , em geral no tradicional, é dourada mas tem prata, alumínio, revestida com couro, enfim independente da cor e do material ela é sempre destaque ! Pode ser usada em salas, quartos, escritórios, closet e salas de banho . Lindas vão encantar qualquer espaço !









Home Theater ou cinema em casa, tradução mais literal é a sala de televisão planejada para receber aparelhos de áudio e vídeo que reproduzem um som similar ao do cinema, permitindo a quem mora no local desfrutar de imagens e sons como se estivesse em um cinema. Virou uma febre e todos queriam um home Theater ( nome que passaram a chamar os aparelhos que se ligavam a televisão com várias caixas de som) , infelizmente nem todos que adquiriram a aparelhagem necessária tinham um ambiente adequado e ficava aquele monte de fios, canaletas e suportes espalhados pela sala , foram simplificando o eletrônico e diminuindo o preço, e as televisões por sua vez foram apresentando áudios cada vez melhor derrubando a febre ! evidentemente que quem planeja um home Theater dentro das especificações técnicas, e ambientação adequada ( pois requer revestimento acústico adequado, iluminação, distâncias necessárias ) irá realmente desfrutar do cinema em casa. Mas com certeza infelizmente o home Theater "caseiro" representado pela aquisição dos aparelhos eletrônicos, simplesmente instalados não vão proporcionar o que temos em uma sala de cinema e não representam um home Theater.





kilim também escrito klim ou kelim (uma palavra de origem turca é a designação dada a tapetes de lã sem veludo, que são tecidos sem recurso a nós. É fabricado sobretudo em alguns locais da Anatólia (Turquia) e do Irã (particularmente em Sanandaj) , mas de uma forma mais genérica fabricam-se tapetes chamados kilims desde os Balcãs até ao Paquistão, passando pelo Médio Oriente, Cáucaso e Ásia Central. Podem ser puramente decorativos ou ser usados como tapetes de oração. No Ocidente são frequentemente usados para cobrir o chão. Pensa-se que a sua origem possa remontar a 8 000 a.C. Até há relativamente pouco tempo, os kilims não era fabricados com intuito comercial, e conservaram a sua autenticidade, ligada às memórias e identidade de povos sedentários, nômadas e semi-nômadas que os teciam. Cada tribo e localidade tem o seu próprio estilo: cores vistosas ou sóbrias, decorações complexas, simples ou refinadas conforme as regiões. O kilim hoje é usado na decoração de interiores, em puffs, almofadas, tapetes e painéis em paredes. Por seu aspecto cultural deixa o ambiente, com um aspecto único e requintado repassando uma imagem cultural e quebrando a monotonia do ambiente, acrescentando cor e uma medida pensada de rusticidade ao ambiente. É sempre bem vindo porque entra na decoração como uma obra de arte e não precisa "ser da cor , ornar " com o ambiente, as cores e a rusticidade do Kilim dá ao ambiente o diferencial pensado. Ter um objeto com tapeçaria kilim na decoração dá um "ar" de despojado, natural e cultural .









Boiseries Já ouvir falar em boiseries? Provavelmente você já deve ter visto a técnica por aí em algum lugar, mas nunca foi apresentado adequadamente a ela. A técnica, nada mais é do que revestir paredes com molduras feitas, originalmente, em madeira. A boiserie – pronuncia-se boaserrí – surgiu na França influenciada pelo movimento artístico que ficou conhecido como Rococó. O grande objetivo dos carpinteiros artistas da época era adornar de forma pomposa e requintada as paredes da nobreza. Os séculos XVII e XVIII marcam o auge das boiseries na decoração. Muito comum na decoração francesa, inglesa e consequentemente americana, nesta ultima ganha grande visibilidade principalmente na cor branca, Inicialmente presente em estilo clássicos. Tem ganho muita aceitação no estilo industrial pintada de cinza ou preto, na verdade dá requinte ao local demonstrando um resquício de glamour no caso do estilo industrial, e muita classe no estilo clássico. Fica leve e lindo em cores clássicas, em madeira natural remete a monarquia inglesa e em dourado a " finesse" francesa !







Se gostou o post e quer saber mais " decoranês" escreva comente, compartilhe e envie suas dúvidas !





Márcia Rispoli entrou no ramo de decoração e design por acaso, ao sair vencedora de um concurso promovido pela Revista A&D, o que resultou em sua inscrição na Associação Brasileira de Designers de Interiores. Desde então, ela não parou mais! Neste espaço, ela compartilha de todo o conhecimento adquirido nestes mais de 20 anos de profissão.

Posts em destaque